[Resenha de livro] John Boyne – O Menino do Pijama Listrado

16-08-30-14-56-55-937_deco

Título do livro: O Menino do Pijama Listrado
Autor (a): John Boyne
Editora: Seguinte (Selo da Companhia das Letras)
Páginas: 190
Gênero: Ficção irlandesa
ISBN: 978-85-359-1112-1

 

 

 

SINOPSE: 

Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra judeus. Também não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.

Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

RESENHA:

A história se passa em 1940, e conta sobre a amizade entre dois meninos inocentes que não sabem nada sobre a guerra que está acontecendo em seu país.

Bruno e sua família são obrigados a se mudar de Berlim para uma cidade bem distante e isolada, por causa da promoção que seu pai recebe no trabalho.

Como Bruno se viu sozinho nessa nova casa, ele começou a brincar de explorar o lugar. E nessa brincadeira ele descobriu Shmuel, eles se tornaram amigos ao verem que tem muita coisa em comum, mas não entendem o porque não podem brincar.

Essa nova amizade ninguém podia saber, mesmo eles não sabendo sobre  a guerra, eles sabiam que estariam encrencados se alguém descobrisse, mas mesmo assim eles arriscavam todo dia.

Nessa história a gente percebe mais ainda que quando a gente não sabe a origem das pessoas, a gente não se importa com os preconceitos. E como sempre quem mostra isso são as crianças, porque elas não escolhem pela cor, pela etnia, pela classe social quem vai ser seu amigo, e isso que é bonito.

Eu achei a história bem legal, mas não me emocionei como quando eu assisti o filme. Essa é a primeira vez em que eu assisti o filme antes de ler o livro, pode ser por isso também, não sei. Mas é um livro que você não consegue imaginar como vai ser o final da história, e vocé é surpreendido por isso.