Resenha: Eleanor & Park, Rainbow Rowell

capaeleanorepark

Título do livro: Eleanor & Park
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Páginas: 328
Gênero: Literatura estrangeira, Infanto-juvenil, Ficção, Romance e Drama
Nota: estrelaestrelaestrelaestrelaestrela

Sinopse:

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

Resenha:

Como fazer uma resenha, sendo que a própria sinopse já diz praticamente tudo o que você queria falar sobre o livro?
Então, vou falar sobre o que eu achei do livro sem explicar sobre ele.
Park é um menino mestiço que podemos considerar um playboizinho, que tem praticamente tudo o que quer.
Eleanor já é aquele tipo de menina que não é igual ao Park em nada. Família toda errada, ela tem um estilo que é só dela, considerada gordinha pela sociedade e ruiva.
No começo Park estranhou muito Eleanor, mas depois que eles foram conversando e Park foi conhecendo mais de Eleanor, eles foram se gostando no limite que tinham.
Eu fiquei irritada com as atitudes da mãe em aceitar um cara como o padrasto o deles, deixar fazer o que ele fazia com ela e seus filhos, principalmente com Eleanor.
A família de Park já é mais “normal”, ele ainda não tinha os pais separados, o único de sua turma que ainda tinha a família completa.
Mas achei bem legal a autora ter colocado como protogonista da história um casal diferente do que é colocado nos livros, nesse ela um mestiço com uma menina que não está nos padrões de beleza em nenhum sentido, e ruiva. Pelo menos eu, nunca tinha lido com esse tipo de personagem.
Em vários momentos quis pegar Eleanor e abraçar, porque além de ela sofrer em casa com o padrastro, ela sofria bullying na escola também e, achei bem pesado os bullying’s.
Mas também não gostei nada do que Eleanor fez com Park no final, achei muito injusto da parte dela, porém sobre isso não posso entrar em detalhes, porque senão solto um mega spoiler.
É uma história realmente envolvente, acredito que quem leu teve as mesmas sensações que eu.
Livros que falam sobre bullying, acho que deveria ser incluído nos livros obrigatórios das escolas, porque ajuda as crianças e adolescentes a pensaram sobre o que fazem com os outros.
Quem já leu esse livro, me conta aí o que achou, se também teve as mesmas impressões quanto as atitudes da mãe de Eleanor.

Anúncios

Resenha: Uma Vez Você, Uma Vez Eu, Diego Martello

 

Título do livro: Uma Vez Você, Uma Vez Eu
Autor: Diego Martello
Editora: Novo Século
Páginas: 184
Gênero: Literatura brasileira, ficção brasileira, ficção
Nota: 

 

 

Sinopse:

Marcos e Willian, pai e filho, tentam se reconciliar após anos de desentendimento. Em paralelo, Eva, mulher de Willian, quer a todo custo engravidar e não consegue, o que frustra o casal.
A partir da visão do interior de cada um, esses personagens terão de reconfigurar o modo de pensar para enfrentar os seus conflitos.
Nessa fase tão conturbada para todos, reflexões acompanham cada segundo da trajetória deles.
Narrada de forma surpreendente, provocativa e crítica, esta obra não tem a pretensão de apresentar soluções para os problemas enfrentados, mas, sim, mostrar as armadilhas de nosso fluxo de consciência, para compreendermos que as soluções dos problemas dependem, muitas vezes, da forma como se lida com as ilusões, ou, ao contrário, como se enxerga verdadeiramente a realidade.

Resenha:

Willian é aquele tipo de pessoa que podemos chamar de mimado, não por ter tudo de forma material e sim por sempre ter segurança somente quando os pais estão por perto. Aquele tipo de pessoa que vive apenas por viver, não tem um objetivo de vida.

Marcos já é o tipo de pessoa que a partir de um ensinamento de um chefe, acabou entendendo que para viver necessitamos de um objetivo de vida, senão estamos aqui inutilmente. Também dono da D&D.

No passado Willian e Marcos enfrentaram desentendimentos pesados na frente de muitas pessoas que trabalhavam com eles. Com isso carregaram esse “problema” por muitos, atrapalhando a relação de pai e filho.

Uma Vez Você, Uma Vez Eu“, é um livro rápido de ler, mas muito reflexivo.

Tem 184 páginas, mas pensa em uma pessoa que quase marcou o livro todo com as quotes que mais gostou, tem mais de 20 marcações.

Como é um livro bem reflexivo, pra você enfrentar seus medos, entre outras reflexões, pra começar o ano de 2018 foi uma ótima escolha.

Tenho certeza que muitas pessoas vão gostar dele.

Resenha: Um Passeio no Jardim da Vingança, Daniel Nonohay

Título do livro: Um Passeio no Jardim da Vingança
Autor: Daniel Nonohay
Editora: Novo Século
Páginas: 301
Gênero: Ficção, ficção policial, mistério, distopia
Nota: 

 

 

“A letra fria da lei aplicava-se somente aos que não podem construir o seu sentido.”

 

Seja bem-vindo ao nosso futuro!
As grandes cidades convivem com a divisão entre as “zonas vigiadas” e suas periferias. O uso de drogas e medicamentos é disseminado, sendo controlado por laboratórios. Implantes cibernéticos são uma realidade, aumentando capacidades e aptidões, como a de memória, para aqueles que conseguem arcar com os custos. Religiões e grupos terroristas alimentam-se do descontentamento e das diferenças sociais.
Venha acompanhar a história de Ramiro, um advogado que perdeu o prazer de viver. Depois de quase ser morto, tenta retomar a rotina profissional e dar sentido ao que restou da sua vida. Em litígio com os sócios do escritório, parte como caçador em busca de uma vingança que o acabará transformando em caça.
Perseguido, doente e sem recursos, a sobrevivência de Ramiro dependerá da sua capacidade de improvisação, do seu conhecimento de sistemas de dados e das aptidões adquiridas com dois implantes cerebrais, que lhe permitem acesso à “rede” e aumentam a sua memória.
Um Passeio no Jardim da Vingança é um suspense denso, com personagens marcantes e amorais, que dão à narrativa múltiplos pontos de vista e linhas cronológicas, e onde a ficção científica é um pano de fundo para uma história na qual o personagem principal é a natureza humana.

“A vida não era construída com o histórico das desculpas. Era construída por uma cadeia de consequências.”

Resenha:

Um Passeio no Jardim da Vingança fala sobre amigos de infância que viraram advogados e decidiram trabalhar na mesma empresa.
Porém, quando mistura amizade com trabalho, vocês sabem que muitas vezes não dá certo né?
Ramiro, é um advogado bem sucedido, casado com uma mulher linda desejada muitos homens e manja tudo da rede interna do Escritório.
Fábio, é aquele cara que se tornou advogado pra agradar o pai.
Josué, é um advogado que podemos chamar de escroto, por não medir esforços para conseguir o que quer, isso em qualquer área da sua vida.
Avelino, mais conhecido como Velho era o dono do Escritório, como é chamada a advocacia. Mais escroto e cruel do que Josué.
Rogério, é aquele cara que não fede nem cheira sabe? Foi a pessoa que colocou o Ramiro pra dentro do Escritório.
O Escritório nada mais é do que uma empresa esconder as coisas erradas dos clientes do Avelino. Tanto que Avelino coloca uma película em cada funcionário do Escritório para
vigiar tudo o que estão fazendo, as ligações e tudo mais.
Ramiro cansado de tudo isso, resolve entrar na rede do Escritório para investigar tudo sobre as atividades do Escritório, quem está metido em alguma coisa.
Porém, isso pode custar a sua vida e custar a vida de outras pessoas também.
Mas ele já não se importa mais com isso, então ele vai fundo na investigação.
Pra mim, infelizmente a leitura não fluiu, achei um pouco confuso e achei que faltou algumas cenas para explicar outros.
Pra quem é fã de uma distopia e de uma ficção policial pode amar esse livro, mas já vou avisando que é um pouco confuso, que precisa prestar bastante atenção, pra não perder os pontos.
Não é só porque pra mim não fluiu, é que pra você também não vai fluir não é mesmo?