(COM SPOILER) Resenha: O Diário de Bridget Jones, Helen Fielding

Título o livro: O Diário de Bridget Jones
Autora: Helen Fielding
Editora: Grupo Editorial Record
Páginas: 320
Gênero: Literatura estrangeira e comédia romântica
Nota: 

 

 

“Nossa cultura é muito obcecada por aparência, idade e situação sócio-econômica. Mas o que vale mesmo é o amor.” 

Sinopse:

Desde as primeiras linhas deste diário, você vai achar que já conhece Bridget Jones de algum lugar. Ela está na faixa dos 30 anos, é solteira, mora numa cidade grande, quer parar de fumar, acha que está marcando passo no emprego, tomou a firme resolução de fazer ginástica três vezes por semana e assumiu o compromisso de não chegar ao fim do ano sem aprender a programar o videocassete. Parece familiar? Então aqui vão outras características de Bridget.

Desconfia dos livros de autoajuda, mas não resiste a dar uma olhadinha neles. É um desastre na cozinha, mas fantasia jantares inesquecíveis com o auxílio de livros de culinária. Banca a mulher independente, mas não passa uma noite sem sonhar com o príncipe encantado. Sofre com a ideia de não receber presente no Dia dos Namorados, mas, em seguida, se convence de que esta é só uma data comercial. Ainda se espanta com homens que desaparecem depois do quarto encontro porque a relação está ficando muito séria. Agora você tem certeza que a conhece, não é? O mundo está mesmo cheio de Bridgets. Por isso, este livro fez tanto sucesso na Inglaterra (onde foi escrito), nos Estados Unidos, na França e onde mais tenha sido lançado.

É impossível ter o diário de Bridget Jones e não identificá-la. Ou não se identificar com ela. Como toda sua geração, Bridget vive as agruras do pós-feminismo, convive com as neuroses da nova família, sobrevive na frieza das grandes metrópoles, mas, principalmente, enfrenta o dia-a-dia com um inabalável bom humor. Bridget é muito engraçada. Aproveita que ela escreveu um diário e divirta-se.

“A única coisa de que uma mulher moderna e atual precisa é dela mesma. Viva!”

Resenha:

Tem alguém que não leu ou não assistiu O Diário de Bridget Jones?

Confesso que eu só assisti um milhão de vezes o filme, mas não tinha lido o livro ainda.

Vou precisar assistir de novo, porque percebi algumas diferenças e não lembrava de outras partes.

Acho que como é um livro e filme muito antigo posso dar os spoilers pra poder explicar melhor o que eu achei de diferente e o que eu não lembrava né?

Se você leu a sinopse, Bridget realmente é tudo aquilo escrito, porém conforme você vai lendo vai percebendo que é bem pior. Chega a ser insuportável a paranoia dela com o peso, e o tanto de cigarro que ela fuma. Posso falar que ela tem algum problema psicológico, distúrbio, principalmente alimentar. Mesmo ela vivendo numa sociedade onde pelo que eu percebi os homens escolhiam mulheres tipo Gisele Bündchen pra namorar ou casar.

Uma diferença que eu notei no livro que não tem no filme:

No filme mostra ela na casa dela se debulhando em lágrimas, comendo horrores cantando All By Myself, não lembro por qual motivo, mas acredito que seja por ela descobriu que o chefe/namorado traiu ela. Porém, no livro não tem essa cena dela cantando loucamente.

Uma coisa que eu realmente não lembro, ou não chegou a mostrar no filme (vou precisar assistir de novo por conta disso):

Não lembrava que a mãe dela tinha fugido com um cara para Portugal porque eles tinham pegado dinheiro “emprestado” de um monte de gente e que a mãe acabou sendo presa e logo depois solta porque descobriram que ela realmente não tinha a ver com tudo.

No geral, óbvio que gostei bastante, é uma leitura fluida, então você lê bem rapidinho, terminei em 4 dias.

Agora já estou louca para ler as continuações.

Anúncios